Bermudas desaprova casamento entre pessoas LGBTQIA

Bermudas tornou-se o primeiro território a proibir o casamento para todos[i] após tê-lo autorizado. Assim, oito meses após ter autorizado a união entre casais do mesmo sexo, esse pequeno arquipélago com 60.000 habitantes, independente mas ainda ligado ao Reino Unido, é o primeiro território no mundo a recuar sobre esse avanço.

Surpreendentemente, o Partido Trabalhista Progressista, que chegou ao poder em julho, em Bermudas, acaba de contradizer uma decisão da Suprema Corte de abril passado. Uma lei que revogou o casamento de casais homossexuais, e apoiada por inúmeras igrejas conservadoras, foi aprovada na quarta-feira, 13 de dezembro, pelo Senado, após ter sido também aprovada pela Assembleia na última sexta-feira.

Essa reviravolta segue a vontade de 70% dos eleitores que recusaram manter esse direito no referendo de 2016. Mas como menos da metade do número de eleitores participou da consulta pública (apenas 14%), seu resultado foi invalidado, como já mencionamos em outra reportagem.

O governador da ilha deve, dentro em pouco, assinar essa nova disposição – que não se aplicará àqueles que já se casaram a partir de maio passado –, procedimento que foi apresentado como uma formalidade.

A senadora Crystal Casesar, favorável ao texto, estima que essa mudança de curso leva em consideração a opinião dos moradores da ilha, que não estariam “preparados” para aceitar o casamento para todos. Até o final de 2017, no entanto, 24 países autorizaram o casamento entre casais do mesmo sexo (apenas dois deles em parte de seu território), o que representa mais de 1,1 bilhão de pessoas, ou seja, 14,5% da população mundial.

Esse voto terá apenas impactos negativos, nada de positivo virá dessa legislação”, declarou Jeffrey Baron, um líder da oposição que votou contra a medida. O mesmo se aplica ao adversário Nandi Outerbridge, que considera que a lei “varre os direitos dos seres humanos”.

Esse vai e volta lembra as valsas legislativas americanas concernentes ao casamento, da concordância de alguns Estados seguida da interdição por outros, até que a Suprema Corte finalmente o autoriza em junho de 2015. Recentemente, a Áustria e a Austrália (que havia igualmente procedido a um referendo) acabaram por autorizar o casamento a todos os casais. Em 2017, a ilha de Malta, a Finlândia e a Alemanha haviam precedido aqueles dois países.

Em agosto de 2017, o Haiti proibiu o casamento para todos e a “promoção” da homossexualidade.

 

Reportagem de Jérémy Patinier, publicada na revista francesa Têtu em 14 de dezembro de 2017.

[i] Mariage pour tous (casamento para todos) é a expressão francesa utilizada para se referir ao projeto de lei aprovado em 23 de abril de 2013, no Parlamento, que regulamentou o casamento, a adoção de crianças e a partilha de bens entre casais do mesmo sexo.

Tradução: Luiz Morando

Assinaturas-Luiz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s