Libertação LGBT: uma luta essencial da classe trabalhadora

O amor pelo mesmo sexo, a mudança de sexo e as variações de gênero são encontrados na classe dominante e na classe média, assim como na classe trabalhadora. Então, como a opressão lésbica, gay, bissexual e trans (LGBT) é uma questão da classe trabalhadora?

É verdade que lésbicas brancas ou gays ricos enfrentam fanatismo – e mulheres ricas enfrentam sexismo –, embora certamente não no mesmo grau de uma jovem trans de cor sem-teto, ou de uma mulher branca solteira tentando alimentar crianças com um emprego mal-remunerado.

Mas a diferença entre essas duas principais classes econômicas da sociedade é que a classe dominante não pode transformar profundamente o capitalismo para criar justiça econômica e social. Historicamente, sua classe surgiu inconscientemente para desenvolver as ferramentas de produção numa escala poderosa, o que, por sua vez, criou a moderna classe trabalhadora.

Hoje, a classe trabalhadora é a única força econômica da sociedade que tem o poder de revolucionar a sociedade. Isso porque trabalhadores e povos oprimidos fazem o trabalho do mundo todos os dias numa escala enorme e coletiva, pondo em movimento o vasto aparato produtivo construído por nossa classe.

Portanto, é do interesse da classe dos trabalhadores e dos povos oprimidos assumir a propriedade coletiva do aparato produtivo e planejar a produção para atender às necessidades de todos.

Mas a ideologia de dividir e conquistar desvia a classe trabalhadora de perceber que o momento histórico amadureceu para se unir e tomar o poder. Entender que a solidariedade é do interesse de classe de todos os que são explorados e oprimidos é a chave da luta revolucionária.

É por isso que nós, como comunistas, vemos a luta contra a opressão lésbica, gay, bi e trans como um componente essencial da luta da classe trabalhadora.

Lutar contra todas as formas de opressão defende vidas. E também ajuda a construir a unidade na luta, revelando a toda a classe trabalhadora as desigualdades sociais e econômicas que estão embutidas no sistema capitalista.

O combate à oposição LGBT é uma batalha ideológica, social e econômica.

Quando os trabalhadores LGBT não recebem benefícios do mesmo sexo para seus companheiros, eles recebem menos do que seus colegas de trabalho, o que reduz salários e benefícios para todos os trabalhadores. A luta LGBT por benefícios de companheiros domésticos também ajudou a obter ganhos para trabalhadores heterossexuais solteiros.

Os trabalhadores LGBT precisam montar um sistema de apoio econômico sem os benefícios concedidos às famílias heterossexuais. É por isso que apoiamos o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo. Não somos advogados a favor ou contra o casamento – dizemos que o Estado não tem o direito de discriminar.

Também afirmamos que as pessoas não precisam formar um casal e se casar para ter assistência médica ou outros benefícios. E pressionamos as demandas enfrentadas pelos mais oprimidos do movimento LGBT – contra a opressão nacional, brutalidade policial e prisional, espancamento de gays, negação de acesso a serviços de saúde.

Lutamos contra o bronze do Pentágono quando eles fazem guerra em todo o mundo e lutamos contra eles quando fazem guerra com suas próprias tropas – seja brutalidade para com soldados LGBT ou violência sexual contra mulheres com IG. Mas empreendemos essa luta para revelar o caráter dos militares, a fim de contrarrecrutar!

Ironicamente, os pretextos da crescente guerra imperialista mudaram para “intervenções humanitárias” – incluindo o envio do Pentágono para “salvar” mulheres e gays, do Afeganistão ao Irã. Artigos sobre a situação de afegãos e iraquianos gays começaram a aparecer nos EUA pouco antes das duas invasões imperialistas.

Não sabemos a história toda.

No entanto, sem qualquer idealização, a campanha do Taliban no Afeganistão pode ter começado como uma luta contra uma forma de sexo forçado pelos comandantes da milícia feudal.

No Iraque, a pena de morte pode ter sido estendida para incluir a homossexualidade e o estupro, em um esforço para fechar fileiras com as forças islâmicas à medida que a invasão imperialista se tornasse iminente. Mas hoje, sob ocupação imperialista, a mídia dos EUA silencia sobre os iraquianos que são vistos como homossexuais atualmente sendo alvos de uma campanha terrorista de assassinatos.

No último ano, relatos de que o governo iraniano está realizando execuções estatais contra “gays” viajaram pela Internet.

O primeiro e mais amplamente relatório divulgado, de que dois jovens gays foram enforcados pelo governo por sexo consensual, acabou sendo uma tradução incorreta da acusação de estupro entre pessoas do mesmo sexo. Um artigo amplamente divulgado alegando abuso policial de um transexual masculino no Irã nunca mencionou que o governo de lá estende mais direitos aos transexuais do que qualquer outro no planeta.[i]

Também não é ponderado, sensível ou preciso assumir automaticamente ou impor uma identidade universal de “gay” a pessoas em países oprimidos.

Mesmo nos EUA, existem expressões difundidas de afeto, amor e sexualidade pelo mesmo sexo fora das identificações próprias de lésbicas, gays, bissexuais, transexuais e transgêneros.

E identidades e conceitos em Greenwich Village ou Castro St. podem ser muito diferentes numa comunidade negra em Newark ou em Gujarat, comunidade em Jersey City, ou entre jovens sem-teto mexicanos que vivem em parques em San Diego.

Isso também é verdade internacionalmente. Muitas formas indígenas de sexualidade, gênero e organização dos sexos em culturas milenares ainda sobrevivem – embora não sejam tocadas por milhares de anos de sociedades de classes patriarcais e centenas de anos de dominação econômica, cultural e militar colonial e imperialista. Esse entendimento aprofunda a compreensão das complexidades do social e da autoexpressão humana.

A sensibilidade é fundamental para a construção de uma verdadeira solidariedade internacionalista e consciência anti-imperialista.

Não somos apologistas da opressão em lugar algum. Mas não nos juntaremos ao coro da demonização imperialista de países que lutam pela soberania e autodeterminação. O capital financeiro dos EUA procura conquistar, não libertar.

Historicamente, o colonialismo britânico, espanhol, português e norte-americano trouxe leis de “antissodomia” para a Ásia, África e Américas.

E hoje, em seu esforço de recolonização, a CIA e o Pentágono incorporaram humilhação sádica antigay e antitrans, estupro e outras formas de violência em sua ciência da tortura.

A propaganda dos spin-médicos do capital financeiro de que invasão e ocupação militar são para “libertação” de gays e mulheres demonstra a necessidade de desenvolver mais liderança e participação de mulheres e LGBT, particularmente dos mais oprimidos, no movimento antiguerra.

Nosso Partido fez importantes contribuições para a compreensão histórica e teórica das raízes da opressão lésbica, gay, bi e trans na sociedade de classes – e esteve nas ruas na luta.

Como materialistas históricos, vimos a evidência de que os seres humanos não estão preparados para serem fanáticos. As sociedades pré-classe antigas de todos os continentes respeitavam espectros maiores de sexualidade, gênero e sexo.

Foi o surgimento de divisões de classe que levaram a leis e imposição para regular a sexualidade, degradar o status social das mulheres, punir violentamente a transexualidade e a intersexualidade e impor brutalmente normas para vestuário e comportamento feminino e masculino. Por quê? Tentar romper redes de parentesco comunais, organização social geral e sistemas de crenças.

Isso era do interesse da classe da nova elite dominante. O desenvolvimento da família patriarcal e heterossexual também era do interesse de sua classe.

Mas, embora tenha sido projetada para transmitir riqueza através de herdeiros do sexo masculino, hoje a família heterossexual dominada por homens é uma instituição opressora imposta a toda a classe trabalhadora, bem como uma unidade econômica de sobrevivência no capitalismo.

No século passado, a esquerda do movimento revolucionário – os que tiveram mais sucesso em romper com a ideologia opressiva de milênios do domínio de classe – lutou contra a repressão estatal da homossexualidade e a opressão das mulheres.

As primeiras revoluções que lutaram para construir o socialismo sob terrível isolamento econômico e pressão militar não foram capazes de erradicar o dano social de séculos de domínio de classe da noite para o dia. Uma revolução é um processo, não um único ato.

Substituir a família dominada por homens como uma unidade econômica exigia o levantamento do ônus financeiro da sobrevivência das famílias, permitindo que os indivíduos vivessem e amassem sem dependência econômica.

Mas o subdesenvolvimento tecnológico, o embargo imperialista e o cerco militar hostil dificultaram as primeiras revoluções, lutando para construir isoladamente uma economia socialista, para atingir esse objetivo. No entanto, desde o início da União Soviética, a Alemanha Oriental e Cuba, foram obtidos importantes ganhos.

Por fim, à medida que as revoluções socialistas se desenvolvem, particularmente nos países imperialistas com mais recursos tecnológicos, a cooperação mundial pode aproveitar o vasto aparato mundial de produção para atender às necessidades e desejos de todos os trabalhadores.

O socialismo cria o impulso material para a cooperação. E o socialismo pode utilizar as ferramentas massivas da educação em massa para aumentar a consciência a fim de erradicar o racismo, o sexismo e outros vestígios de fanatismo e reação.

É isso que é necessário para libertar o amor da repressão e do medo, culpa e vergonha.

Hoje, porém, temos que lutar contra todas as formas de opressão para defender vidas e cimentar o tipo de unidade necessária para travar a luta de classes e vencê-la.

Então, se você está procurando um partido revolucionário que leve a luta contra o sexo e a opressão de gênero a sério, você o encontrou!

Manifesto de Leslie Feinberg publicado em 24 de junho de 2006, no site da Workers World. Disponível em: https://www.workers.org/2006/us/lfeinberg-0629/index.html.

Tradução: Inaê Diana Ashokasundari Shravya

[i] Leslie parece desconhecer a compulsoriedade da cirurgia de redesignação genital para homens cisgêneros homossexuais como forma de escaparem da pena de morte no Irã. Para mais informações, confira: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/11/141105_ira_gays_hb.

Veja também esta notícia: https://www.gazetadopovo.com.br/mundo/ira-diz-sim-a-transexualidade-aoao2u271id5pekjf50a13qry/

A escolha desta notícia mais antiga é para tentarmos compreender o contexto histórico da transexualidade no Irã naquele momento.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s