Intervenção de Paul B. Preciado nas Jornadas da Escola da Causa Freudiana

Bom dia, queridas damas, queridos cavalheiros, da Escola de psicanálise da França, damas e cavalheiros da Escola da Causa Freudiana, e não sei se vale a pena que se diga também bom dia a todos aqueles que não são nem damas nem cavalheiros, porque creio que não há entre vocês alguém que haja renunciado legal e publicamente à diferença sexual e que tenha sido aceito como psicanalista (…), depois de haver conseguido exitosamente o passe. Falo aqui de um psicanalista trans ou não binário que tenha sido admitido entre vocês. Se existe, permitam-me enviar a esse mutante, imediatamente, a saudação mais calorosa.

[Fala em espanhol] Também quero saudar aqui a todos os psicanalistas hispanofalantes da América Latina e da Espanha. Senhoras, senhores, e sobretudo todos os outros, aqueles que não são senhoras, nem senhores.

[Retorno à fala em francês] Em 1917, Franz Kafka escreveu “Um relatório para uma Academia”. O narrador do texto é um macaco que, depois de ter aprendido as linguagens humanas, se apresenta frente a uma Academia das mais altas autoridades científicas para explicar-lhes o que a evolução humana havia representado para ele.

O macaco, que se chama Pedro Vermelho, conta como foi capturado por uma expedição de caça organizada pelo circo Hagenbeck, como foi em seguida transportado à Europa e como logo conseguiu converter-se em um homem. Pedro Vermelho conta como aprendeu as linguagens humanas e como, para fazê-lo, e entrar na sociedade da Europa de seu tempo, teve que esquecer sua vida de macaco e tornar-se alcoólatra.

Mas o mais interessante, no monólogo de Pedro Vermelho, é que Kafka não apresenta sua história de humanização como uma história de liberação, mas sim como uma crítica do humanismo europeu.

Uma vez capturados, os macacos, dizem que não havia outra opção, mas que, ou bem morriam em uma jaula, ou bem viviam passando à jaula da subjetividade humana; e é, a partir desta nova jaula da humanidade, que se dirige à Academia científica.

Como o macaco Pedro Vermelho se dirigiu à Academia de cientistas, dirijo-me hoje a vocês, acadêmicos de psicanálise, de minha jaula de homem transexual. Meu corpo, marcado pelo discurso médico e jurídico como transexual, caracterizado na maior parte de vossos diagnósticos psicanalíticos como sujeito de metamorfose impossível, segundo vosso colega Pierre-Henri Castel; estando, segundo a maior parte de suas teorias, mais além da neurose, na borda ou inclusive no interior da psicose; tendo, segundo vocês, uma incapacidade de resolver corretamente um complexo de Édipo, ou havendo sucumbido à inveja do pênis. Dirijo-me a vocês como um macaco humano de uma nova era.

Eu – enquanto corpo trans, enquanto corpo não binário, ao que nem a medicina, nem o direito, nem a psicanálise, nem a psiquiatria reconhecem o direito de falar nem a possibilidade de produzir um discurso uniforme de conhecimento sobre eu mesmo – aprendi, como Pedro Vermelho, a linguagem do patriarcado colonial, vossa língua. Estou aqui para dirigir-me a vocês.

Dirão que recorro a um conto kafkiano para começar a falar-lhes, mas vosso colóquio me parece mais próximo da época do autor de A metamorfose que da nossa.

Vocês organizam um encontro para falar das mulheres na psicanálise em 2019 como se, todavia, estivéssemos em 1917 e como se esse tipo particular de animal, que vocês chamam de forma condescendente e naturalizada “mulher”, não tivesse sempre um reconhecimento pleno enquanto sujeito político; como se ela fosse um anexo ou uma nota em pé de página, uma criatura estranha e exótica entre as flores, sobre a qual há que pensar de tanto em tanto, em um colóquio em mesa-redonda. Pois bem, haveria que organizar um encontro sobre homens brancos heterossexuais e burgueses em psicanálise.

O discurso psicanalítico gira em torno do poder discursivo e político desse tipo de animal necropolítico que vocês tendem a confundir com o humano universal, e que é, ao menos até o presente, o sujeito da enunciação central no discurso das instituições psicanalíticas da modernidade colonial.

Não tenho, já verão, grande coisa que dizer sobre as mulheres em psicanálise, mas que eu também sou, como Pedro Vermelho, um fugitivo, que eu também fui, um dia, uma mulher em psicanálise; que me atribuíram um sexo feminino e, como o macaco mutante, também saí dessa jaula apertada, talvez para entrar em outra jaula; mas ao menos, dessa vez, por meus próprios pés.

Falo-lhes, hoje, dessa jaula elegida e desenhada, do homem trans, do corpo de gênero não binário. Uma jaula política que é, em todo caso, melhor que a dos homens ou das mulheres, porque ao menos reconhece seu estatuto de jaula.

Queria transmitir-lhes hoje ao menos três ideias, se vocês me permitem. Com a estranha liberdade de falar-lhes de uma posição discursiva impossível, pois enquanto está em trânsito, enquanto corpo de gênero não binário, mutante de uma humanidade binária e colonial que vocês representam, consagrei toda minha vida a estudar os diferentes tipos de jaulas onde os humanos se prendem.

Em primeiro lugar, gostaria de dizer-lhes que o regime da diferença sexual, com o qual trabalha a psicanálise, não é nem uma natureza, nem uma ordem simbólica, mas uma epistemologia política do corpo, e, como tal, é histórica e mutável.

Em segundo lugar, queria informar-lhes, no caso de que não o saibam, que esta epistemologia binária e hierárquica estrou em crise a partir de 1940. Não somente por causa da resposta exercida pelos movimentos políticos de minorias dissidentes, mas também pela aparição de novos dados morfológicos, cromossômicos e bioquímicos que tornam impossível a atribuição sexual binária.

Em terceiro lugar, gostaria de dizer-lhes que, agitada por essas profundas mudanças, a epistemologia da diferença sexual está em mutação, e vai ceder lugar, provavelmente durante os próximos dez ou vinte anos, a uma nova epistemologia.

O movimento transfeminista, queer, de denúncia da violência heteropatriarcal, mas também as novas práticas de filiação, de relação amorosa, de identificação de gênero, do desejo, da sexualidade, da nomeação, não são mais que indícios dessa mutação.

De cara com essa transformação epistemológica em curso vocês tenderão a dizer, senhoras e senhores psicanalistas da França, da América Latina, da Europa, do mundo. O que vão ter que dizer é o que vão fazer: Onde vão se localizar? Em que jaula querem estar/ser [être] presos? Como vão jogar suas cartas discursivas e clínicas, em um processo tão importante como este?

E mais, peço-lhes alguns minutos de atenção, se vocês podem ainda, escutar ainda, o gênero não binário, e conceder-lhe um potencial de razão e de verdade.

Em primeiro lugar, senhoras e senhores e outros, o regime da diferença sexual que vocês conhecem e consideram como universal, e quase metafísico, sobre os que se apoiam e se articulam em todas as teorias psicanalíticas, não é uma realidade empírica, nem uma ordem simbólica fundadora do inconsciente. Não é mais uma epistemologia do vivente, uma cartografia anatômica, uma economia política do corpo e uma gestão coletiva dessa energia reprodutiva.

Trata-se de uma epistemologia histórica que se constrói em relação a uma taxonomia racial, tanto como do desenvolvimento mercantil e colonial europeu, e que se cristaliza na segunda metade do século XIX.

Essa epistemologia, longe de ser a representação de uma realidade, é uma máquina performativa que produz e legitima uma ordem política e econômica específica: o patriarcado heterocolonial. Antes do século XIX, o corpo e a subjetividade feminina não eram reconhecidos como sujeitos políticos. A mulher e as mulheres não existiam nem anatomicamente, nem politicamente, como subjetividade soberana antes do século XIX.

No regime patriarcal, anterior ao século XIX, somente o corpo masculino e a sexualidade masculina eram reconhecidos como soberanos. O corpo feminino e a sexualidade eram subalternos, dependentes e minoritários.

É interessante pensar que a psicanálise freudiana, como teoria do aparato psíquico, como prática clínica, aparece precisamente no momento em que se cristalizam as noções centrais da epistemologia da diferença sexual: o homem e a mulher definidos como anatomicamente diferentes e complementares por sua potência reprodutiva, como figuras potencialmente paternais e maternais, respectivamente, na instituição familiar, colonial, burguesa; mas também a heterossexualidade e a homossexualidade pensadas como normal e patológica, respectivamente.

A psicanálise, vista do ângulo da história do corpo abjeto, da história do monstro da sexualidade normativa, e a ciência do inconsciente, patriarcal e colonial. Peço-lhes, por favor, não tentar negar a complexidade… perdão, a cumplicidade… e a complexidade, as duas, se vocês querem… a complexidade, assim como a cumplicidade, da psicanálise com a epistemologia da diferença sexual heteronormativa. Ofereço-lhes a possibilidade de uma terapia política de vossa instituição. [aplausos]

Obrigado.

Mas esse processo não pode fazer-se sem uma análise exaustiva destes pressupostos. Não os recusem, não os neguem, não os reprimam, não os desloquem. Não me digam que a diferença sexual não é crucial na experiência da estrutura do aparato psíquico em psicanálise.

Todo o edifício freudiano está pensado a partir da posição da masculinidade patriarcal do corpo masculino, heterossexual, entendido como um pênis erétil, penetrante e ejaculatório. É por isso que as mulheres em psicanálise, esses animais estranhos entre as flores, com útero reprodutor e clitóris, são sempre e, todavia, um problema. É por isso que vocês têm a necessidade, todavia, no início do século XXI, de uma jornada para falar das mulheres em psicanálise.

[aplausos]

Mas não me digam que a instituição psicanalítica não tem considerado, e não considera ainda, a homossexualidade como um desvio em relação à norma. Do contrário, como explicar que até faz muito pouco tempo não havia psicanalistas podendo publicamente identificar-se como homossexuais? Pergunto-lhes: quantos de vocês se definem hoje, inclusive aqui mesmo, nesta Escola da Causa Freudiana, publicamente, como psicanalista homossexual? [silêncio… seguido de aplausos]

Eu não forço a revelação de posições subjetivas privadas [risos]… de qualquer maneira, vejo que vocês não o fazem [risos], talvez não sirva, não sirva para nada.

O que lhes peço é o reconhecimento de uma posição de enunciação política, em um regime de poder heteropatriarcal e colonial.

Contrariamente ao que pensa a psicanálise, não creio que a heterossexualidade seja uma prática sexual ou uma identidade sexual. Penso que é sim um regime político que tem reduzido a totalidade do corpo humano, vivente, e sua energia psíquica a um potencial reprodutivo; uma posição de poder discursiva e institucional.

Os psicanalistas são epistemologicamente e politicamente ainda binários e heterossexuais, até que o contrário seja dito ou denunciado. E temos tido hoje aqui uma prova.

Eu não peço aos psicanalistas homossexuais para sair do armário – inclusive se pensa que isso te faria bem [risos] –; são os psicanalistas heterossexuais em vocês, a totalidade desta sala, os que devem sair urgentemente do armário da norma.

A psicanálise freudiana começou a funcionar, desde finais do século XIX, como uma tecnologia de gestão do aparato psíquico, encerrada na epistemologia patriarcal, colonial, da diferença sexual. Não há tentativa na psicanálise freudiana de superar essa epistemologia, mas sim de inventar uma tecnologia, um conjunto de práticas discursivas e terapêuticas que permitam normalizar as posições de homens e mulheres, e suas identificações sexuais e coloniais dominantes (…).

Nessa epistemologia hegemônica, os sujeitos patriarcais, coloniais, modernos, utilizam a maior parte de sua energia psíquica para produzir solidariedade normativa. Angústia, alucinação, melancolia, depressão, dissociação, opacidade, repetição não são mais que os custos gerados para a manutenção dessa epistemologia normativa. A psicologia não é uma crítica dessa epistemologia dominante, mas sim a terapia necessária para que o sujeito patriarcal-colonial continue funcionando, apesar dos custos psíquicos enormes da violência indescritível desse regime. Mas essa epistemologia da diferença sexual, com a qual a psicanálise freudiana trabalha, mais além da crítica, lhes digo, tem entrado em crise depois da Segunda Guerra Mundial. E pode ser – não estou seguro disso – se vocês são totalmente conscientes de que essa epistemologia da diferença sexual, com a qual vocês continuam trabalhando, está hoje em crise. Está em uma profunda crise desde os anos 40.

A politização de subjetividades, de corpos considerados como abjetos nesta epistemologia, a organização de movimentos de luta pela soberania reprodutiva e política do corpo das mulheres e pela des-patologização da homossexualidade, como também a invenção de novas técnicas de representação de estruturas bioquímicas da vida, vai conduzir a uma situação sem precedentes depois dos anos 40. Os discursos médicos e psiquiátricos parecem ter cada vez mais dificuldades, desde os anos 40 do último século, para enfrentar a aparição de corpos nos quais não se pode imediatamente atribuir um sexo feminino ou masculino no nascimento.

Com as novas técnicas cromossômicas e endocrinológicas e a expansão da medicalização do parto, cada vez mais bebês, antes chamados hermafroditas, aparecem. De cara para esses bebês, a comunidade científica-médica inventou uma nova taxonomia. O psiquiatra de crianças John Money, trabalhando na Universidade John Hopkins de Nova Iorque, deixa de lado a noção moderna de sexo, como realidade anatômica, e inventa a noção de gênero, para falar da possibilidade de produzir tecnicamente a diferença sexual. As noções de intersexualidade, transexualidade, aparecem também entre 1947 e 1960. Pela primeira vez, a medicina e a psiquiatria realizam com esforço a existência de uma multiplicidade de corpos e de posições sexuais mais além do binário. Mas, no lugar de mudar a epistemologia, a instituição médica, psiquiátrica, psicológica, decide modificar os corpos, normalizar a sexualidade, retificar as identificações.

Queria compartilhar, hoje, com vocês, a hipótese segundo a qual toda a psicanálise lacaniana, que nasce precisamente depois dos anos 40, sua re-leitura de Freud, seu rodeio pela linguística, é já uma primeira resposta a essa crise da epistemologia da diferença sexual. Creio que é possível dizer que Lacan tentou, como John Money, des-naturalizar a diferença sexual; mas, como John Money, terminou por produzir um meta-sistema que é quase mais rígido que a noção moderna de sexo e diferença anatômica. No caso de John Money este meta-sistema introduz a gramática do gênero, pensada como construção social e endocrinológica. Em Lacan, este meta-sistema – e vocês sabem muito melhor que eu – não é tampouco anatômico, mas sim aquele do inconsciente estruturado como linguagem, mas, como no caso de John Money, trata-se de um sistema de diferenças que não escapa – desafortunadamente – ao binarismo sexual e à genealogia patriarcal do nome.

Minha hipótese é que Lacan não conseguiu des-fazer-se do binarismo sexual por conta de sua filiação/apego político ao patriarcado heterossexual. Essa des-naturalização está conceitualmente em marcha; ele mesmo, não estava pronto.

A partir de 1960, com a comercialização da pílula anticoncepcional, depois com a des-patologização da homossexualidade, a epistemologia da diferença sexual entra no processo de questionamento e de mutação incontrolável. Hoje sabemos que um bebê a cada quatrocentos é identificado como intersexual. Não pode ser reconhecido nos gêneros ordinários. No curso dos últimos vinte anos, as crianças que têm sido operadas ou tratadas como intersexual têm se organizado para pedir o fim da mutilação genital e os processos de reatribuição forçada. Ao mesmo tempo em que cada vez mais corpos começam a identificar-se como não-binários. De modo diferente nos Estados Unidos, mas também na Argentina, como vocês sabem, ou na Austrália, se reconhece hoje os gêneros não binários como uma possibilidade política.

Tenho o prazer também de contar a vocês que tem apenas umas semanas, minha amiga e colega Judith Butler se inscreveu no registro de estado civil da Califórnia como pessoa de gênero não binário. As identificações de heterossexualidade, homossexualidade, pensadas em relação com a capacidade reprodutiva dos corpos de sexo oposto, parecem cada vez mais obsoletas, de cara com a multiplicidade de técnicas de gestão da procriação assistida. Não somente a pílula anticoncepcional ou a pílula do dia seguinte, mas também a paternidade transexual, (…), gestação por outro, externalização do útero etc.

A epistemologia da diferença sexual está em plena mutação. Assistimos a um processo de transformação na ordem da anatomia política e sexual, comparável àquele que levou a passagem da epistemologia geocêntrica à epistemologia heliocêntrica copernicana entre 1510 e 1730.

Nos próximos anos, deveremos elaborar coletivamente uma epistemologia capaz de dar conta da multiplicidade de viventes, que não reduza os corpos a sua força reprodutora heterossexual, e que não legitime a violência heteropatriarcal e colonial.

Quando falo de uma nova epistemologia, refiro-me a começar um processo de ampliação radical do horizonte democrático, para reconhecer como sujeitos políticos todo corpo humano vivo, sem que a atribuição sexual ou de gênero seja a condição de possibilidade desse reconhecimento, social ou político.

Vivemos um momento – gostaria de transmitir-lhes isso hoje – de uma importância histórica sem precedentes. A violência epistemológica da diferença sexual posta em questão pelo movimento feminista, homossexual, intersexual, transexual, queer, e apoiado igualmente pela confrontação de novos dados científicos, está em trânsito de mudar. Estes processos de mudança desse paradigma científico e político conduzirão ao reconhecimento, enquanto sujeitos políticos soberanos, de todo um conjunto de corpos que até agora haviam sido marcados como politicamente subalternos.

Neste contexto de transição epistêmica, honoráveis membros da academia de psicanálise da França, e da École de la Cause Freudienne, vocês têm uma enorme responsabilidade. Vocês têm… e têm que saber… de que lado querem se colocar. Se querem permanecer do lado desse discurso patriarcal e colonial, e re-afirmar a universalidade da diferença sexual e da reprodução sexual, heterossexual; ou entrar, conosco, os mutantes deste mundo, em um processo crítico de invenção de outras formas de subjetividade política. [aplausos]

Vocês não podem recorrer – já termino… vocês não podem recorrer a cada vez aos textos de Freud e de Lacan como se estes tivessem um valor universal, não situado historicamente; como se este texto não tivesse sido escrito no interior dessa epistemologia patriarcal da diferença sexual. Fazer de Freud e de Lacan a lei é também absurdo, como pedir a Galileu que retornasse aos textos de Ptolomeu ou a Einstein para seguir pensando desde a física de Aristóteles.

Hoje os corpos, outras vezes excluídos do regime da diferença sexual, falam e produzem um saber sobre eles mesmos. Os movimentos transfeministas, me too, nem uma a menos, operam uma transformação crucial.

Vocês não podem seguir falando do complexo de Édipo ou do Nome-do-Pai em uma sociedade onde as mulheres são objeto de feminicídios, onde as vítimas da violência patriarcal se expressam por denunciar seus pais, maridos, chefes, namorados; onde as mulheres denunciam a política institucionalizada de violação; ou onde milhões de corpos descem às ruas para denunciar agressões homofóbicas, e as mortes, quase cotidianas, de mulheres trans, assim como as formas institucionalizadas de racismo.

Não podem mais seguir afirmando a universalidade da diferença sexual e a estabilidade das identificações heterossexuais e homossexuais em uma sociedade onde é legal mudar de sexo, onde podemos identificar-nos, como pessoas de gênero não binárias; em uma sociedade onde há já milhões de crianças nascidas de famílias não heterossexuais e não binárias.

Continuar praticando a psicanálise, utilizando a noção de diferença sexual e com instrumentos críticos como o complexo de Édipo seria hoje tão aberrante como pretender continuar navegando no universo com um mapa geocêntrico ptolomaico ou controlar as mudanças climáticas, ou afirmar que a Terra é plana. [aplausos]

Hoje… – sim, já sei, já termino –; hoje meus queridos amigos psicanalistas, é mais importante escutar os corpos excluídos pelo regime patriarcal colonial do que reler Freud e Lacan. Não se refugiem nos pais da psicanálise. Vossa obrigação política é cuidar das crianças, não a de legitimar a violência dos pais.

É chegado o momento de colocar o divã na praça e de coletivizar a palavra, de politizar o inconsciente.

Enfrentamo-nos com uma nova aliança necropolítica do patriarcado colonial e de novas tecnologias farmacopornográficas. Sem dúvida nenhuma, já estamos enfrentando uma nova farmacolonização crescente, (…), uma mercantilização da indústria do cuidado.

[Sussurros… o chamam: “Paul”]

Sim, penso que é necessário que pare.

[Risos, aplausos]

A última coisa. Creio que a tarefa que nos resta por fazer é começar um processo de des-patriarcalização, des-heterossexualização e de-colonização da psicanálise. [Aplausos] (…) uma psicanálise mutante ao redor dessa mutação de paradigma. Talvez somente esse processo de transformação, por mais terrível e desmantelador que pareça, mereça hoje, de novo, chamar-se psicanálise.

Intervenção de Paul B. Preciado nas Jornadas da Escola da Causa Freudiana (École de la Cause Freudienne), n. 49

Tema: Mulheres em Psicanálise – 17 de novembro de 2019

Tradução: Mila Kushnir

2 comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s