Sobre o meu julgamento: luta de classes ou ódio de classes?

Expressei ao júri em Milão algumas ideias sobre a luta de classes e o proletariado que provocaram críticas e espanto. É melhor eu voltar a essas ideias.

Protestei com indignação contra a acusação de discurso de ódio. Expliquei que em minha propaganda sempre procurei demonstrar que os males sociais não dependem do mal de um mestre ou de outro, de um governador ou de outro, mas dos mestres e governos como instituições; portanto, a solução não é mudar os governantes, mas é necessário demolir o próprio princípio pelo qual os homens dominam sobre os homens. Expliquei também que sempre enfatizei que os proletários não são individualmente melhores que os burgueses, como evidenciado pelo fato de um trabalhador se comportar como um simples burguês, e pior, quando chega por acidente a uma posição de riqueza e comando

Tais declarações foram distorcidas, falsificadas, colocadas em um aspecto desfavorável pela imprensa burguesa, e a razão é clara. O dever da imprensa paga de defender os interesses da polícia e dos tubarões é esconder do público a verdadeira natureza do anarquismo e procurar provar a história de que os anarquistas estão cheios de ódio e que são destrutivos; a imprensa faz isso por causa do dever, mas temos que reconhecer que eles costumam fazer isso de boa fé, por pura e simples ignorância. Desde que o jornalismo, que já foi uma vocação, se transformou em mero trabalho e negócios, os jornalistas perderam não apenas seu senso ético, mas também a honestidade intelectual de se abster de falar sobre o que não sabem.

Vamos esquecer os escritores, então, e vamos falar sobre aqueles que diferem de nós em suas ideias e, muitas vezes, apenas em sua maneira de expressar ideias, mas eles ainda são nossos amigos, porque sinceramente visam o mesmo objetivo que nós.

O espanto nessas pessoas é completamente desmotivado, tanto que costumo pensar que é falso. Você não pode ignorar que eu tenho dito e escrito essas coisas há cinquenta anos, e que as mesmas coisas foram ditas por centenas e milhares de anarquistas, no meu próprio tempo e diante de mim.

Vamos falar sobre desacordo

Existem pessoas “orientadas para o trabalhador” que consideram que ter mãos calejadas é algo divinamente imbuído de todos os méritos e todas as virtudes. Eles protestam se alguém se atreve a falar sobre pessoas e humanidade sem xingar o nome sagrado do proletariado.

Agora, é verdade que a história fez do proletariado o principal instrumento da próxima mudança social e que aqueles que lutam pelo estabelecimento de uma sociedade na qual todos os seres humanos são livres e dotados de todos os meios para exercer sua liberdade, deve depender principalmente do proletariado.

Como hoje a acumulação de recursos naturais e de capital criados pelo trabalho das gerações passadas e presentes é a principal causa de sujeição das massas e de todos os males sociais, é natural que aqueles que nada têm e, portanto, mais direta e claramente interessada em compartilhar os meios de produção, sejam os principais agentes da desapropriação necessária. É por isso que direcionamos nossa propaganda com maior particularidade aos proletários, cujas condições de vida, por outro lado, muitas vezes tornam impossível para eles se elevarem e conceberem um ideal superior. No entanto, isso não é motivo para transformar o pobre em fetiche simplesmente porque ele é pobre; nem é uma razão para encorajá-lo a acreditar que ele é intrinsecamente superior e que alguma condição que certamente não provém de seu mérito ou vontade lhe dá o direito de fazer o mal a outros porque outros lhe fizeram mal. A tirania das mãos calejadas (que na prática continua sendo a tirania de alguns que não têm mais as mãos calejadas, mesmo que alguma vez as tenham) não seria menos dura e má, e não levaria a males menos duradouros do que a tirania dos homens de luvas. Talvez fosse menos esclarecido e mais brutal: isso é tudo.

A pobreza não seria a coisa mais horrível que é se não produzisse emburrecimento moral, bem como danos materiais e degradação física, quando se estendesse de geração em geração. Os pobres têm outros defeitos além daqueles produzidos em classes privilegiadas pela riqueza e pelo poder, mas não melhores.

Se a burguesia produz alguns Giolitti e Graziani e uma longa sucessão de torturadores da humanidade, dos grandes conquistadores aos patronos ávidos e sugadores de sangue, também produz Cafiero, Reclus e Kropotkin, e a multidão de pessoas que, em todas as idades sacrificaram seus privilégios de classe por um ideal. Se o proletariado deu e deu tantos heróis e mártires à causa da redenção humana, também produziu os guardas brancos, os matadores, os traidores de seus próprios irmãos, sem os quais a tirania burguesa não poderia durar um único dia.

Como o ódio pode ser elevado a um princípio de justiça, a um espírito de demanda iluminado, quando fica claro que o mal está em toda parte e que depende de causas que vão além da vontade e responsabilidade individuais?

Que haja tanta luta de classes quanto se deseja, se por luta de classe entendermos a luta dos explorados contra os exploradores pela abolição da exploração. Essa luta é uma forma de elevação moral e material e é a principal força revolucionária na qual você pode ter confiança.

Que não haja ódio, no entanto, porque o amor e a justiça não podem surgir do ódio. O ódio traz vingança, o desejo de estar contra o inimigo, uma necessidade de consolidar a superioridade. O ódio só pode ser a base de novos governos se alguém vencer, mas não pode ser a base da anarquia.

Infelizmente, é fácil entender o ódio de tantos infelizes cujos corpos e sentimentos são atormentados e alugados pela sociedade: no entanto, assim que o inferno em que vivem é iluminado por um ideal, o ódio desaparece e se soma um desejo ardente de lutar para o bem de todos.

Por esse motivo, não é possível encontrar pessoas que realmente odeiam entre nossos parceiros, embora existam muitos retóricos do ódio. Eles são como o poeta, que é um pai bom e pacífico, mas que canta sobre o ódio, porque isso lhe dá a oportunidade de compor bons versos… ou talvez maus. Eles falam de ódio, mas seu ódio é feito de amor.

Por esse motivo, eu os amo, mesmo quando me insultam.

Texto de Errico Malatesta. Disponível em: https://es.theanarchistlibrary.org/library/errico-malatesta-acerca-de-mi-juicio-lucha-de-clases-u-odio-de-clases.

Tradução: Inaê Diana Ashokasundari Shravya

O anarquista Errico Malatesta desenvolve algumas ideias sobre a luta de classes e o papel do proletariado na mudança da estrutura social.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s