Os motins de Rebeca

Os motins de Rebecca foram de fato uma série de protestos que ocorreram, entre 1839 e 1843, nas áreas rurais do oeste do País de Gales, incluindo Cardiganshire, Carmarthenshire e Pembrokeshire. Os manifestantes eram principalmente pessoas simples da agricultura que se enfureceram, em geral por impostos injustos e, mais especificamente, pelas altas tarifas cobradas pelo transporte de mercadorias e gado pelas estradas e caminhos da região.

No início do século XIX, muitas das principais estradas do país de Gales pertenciam e eram operadas pela Turnpike Trusts. Esses trustes deveriam manter e até melhorar as condições das estradas e pontes através de pedágios cobrados para usá-los. Na realidade, porém, muitas dessas relações de confiança eram operadas por empresários ingleses cujo principal interesse era extrair o máximo de dinheiro possível dos habitantes locais.

A comunidade agrícola sofreu muito com as más colheitas nos anos anteriores aos protestos e os pedágios foram uma das maiores despesas enfrentadas por um agricultor local. Os encargos cobrados para fazer as coisas mais simples, como levar animais e colheitas ao mercado e trazer fertilizantes de volta aos campos, ameaçavam seu sustento e sua própria existência.

O povo finalmente decidiu dar um basta e tomou a lei em suas próprias mãos; gangues foram formadas para destruir os pedágios. Essas gangues ficaram conhecidas como ‘Rebeca e suas filhas’. Acredita-se que eles tenham tirado seu nome de uma passagem da Bíblia, Gênesis 24, versículo 60: ‘E abençoaram Rebeca e disseram-lhe: Deixe que sua semente possua a porta daqueles que os odeiam’.

Geralmente à noite, homens vestidos de mulheres com rostos enegrecidos atacavam os odiados pedágios e os destruíam.

Um homem enorme, chamado Thomas Rees, foi o primeiro ‘Rebeca’ e destruiu as portagens em Yr Efail Wen, em Carmarthenshire.

Às vezes, Rebeca aparecia como uma velha cega que parava em um pedágio e dizia “Meus filhos, algo está no meu caminho”, e então suas filhas apareciam e derrubavam os portões. E parece que, assim que as autoridades os substituíam, Rebeca e suas filhas retornavam e as derrubavam novamente.

Os tumultos foram piores em 1843, com muitas barreiras importantes sendo destruídas, incluindo as de Carmarthen, Llanelli, Pontardulais e Llangyfelach, uma pequena vila de Hendy, perto de Swansea, onde uma jovem chamada Sarah Williams, a responsável por cobrar pedágio, foi morta.

No final de 1843, os tumultos praticamente pararam quando o governo aumentou o número de tropas para a área e, em 1844, foram aprovadas leis para controlar os poderes dos trustes de pedágio. Além disso, muitos manifestantes reconheceram que a violência estava ficando fora de controle.

E, então, os tão odiados pedágios praticamente desapareceram das estradas do sul de Gales por mais de 100 anos, quando foram reintroduzidos em 1966 para cobrar pedágios por atravessar a Severn Road Bridge, embora desta vez pudesse ser considerado um imposto sobre os ingleses para o privilégio de cruzar a fronteira para o País de Gales, pois não há cobrança na outra direção pela travessia de Gales para a Inglaterra!

Artigo de Ben Johnson publicado no site Historic UK. Disponível em: <https://www.historic-uk.com/HistoryUK/HistoryofWales/The-Rebecca-Riots/&gt;.

Tradução: Inaê Diana Ashokasundari Shravya

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s